Organizações enfrentam o desafio de alavancar resultados e manter uma posição estrategicamente competitiva

por Caroline Tomazini Redivo | 7/7/2015


Caroline Tomazini Redivo▶ Nos últimos 10 anos os investimentos realizados na área de recursos humanos ampliaram-se drasticamente, tanto no cenário privado quanto no cenário público.

Partindo de um breve resgate histórico podemos dizer que, por volta dos anos 70, o departamento pessoal nada mais era que um fator meramente de produção com uma visão mecanicista, sistemática e metódica dos processos de trabalho. Não havia esforços no sentido de treinar, capacitar e garantir que os profissionais aprimorassem seus conhecimentos e habilidades para que os objetivos fossem comuns e os resultados expressivos. Os profissionais eram meros empregados onde prevalecia a palavra final do chefe e os processos de trabalho eram centralizados.

No início dos anos 90 este cenário passou a ter outras características e, a partir daí, muitas teorias organizacionais começaram a aparecer, como por exemplo a gestão estratégica de pessoas, a gestão por competências e a gestão da qualidade organizacional. Neste novo desenho, as organizações iniciaram um processo de mudança que possibilitou a visualização mais clara de seus recursos para o aprimoramento e desenvolvimento das pessoas. Para tanto, a área de recursos humanos passou a ser composta por equipes multidisciplinares que passaram a atuar de forma mais estratégica, onde a transformação e o progresso passaram a ser o foco principal. No setor privado, os profissionais passaram a ser chamados de colaboradores, no setor público de servidores e os chefes passaram a ser chamados de gestores ou líderes. Essas mudanças vão muito além da mera nomenclatura e refletem uma transformação no paradigma da produtividade: os profissionais passaram a ter mais envolvimento em ações e decisões sobre suas atividades e esta descentralização tem sido bem aceita pelas pessoas dentro e fora das organizações desde então.

Nos anos 2000 a gestão estratégica de pessoas ganhou ainda mais força. Em função dos resultados, as organizações começaram a rever seus posicionamentos e realizar as mudanças necessárias para construir um cenário proativo. As potencialidades das pessoas passaram a ficar mais em evidência, protagonizando o posicionamento da situação organizacional. A gestão de pessoas passa a visar a valorização dos profissionais e do ser humano como seu maior patrimônio, diferentemente do antigo modelo de administração de pessoal que visava atender apenas questões burocráticas relacionadas às pessoas.

Em pesquisa realizada em 2014/2015 pela FIA, a média de retorno sobre os investimentos das 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil foi mais de 45% superior ao retorno de investimentos das demais empresas.

O que isso mostra? Que uma gestão de pessoas bem estruturada literalmente gera mais resultados. A renovação do modelo de gestão estratégica ocorreu em consequência da complexidade do mundo em que vivemos e da crescente competitividade entre as organizações – algo positivo no ponto de vista da gestão de pessoas, pois isso faz com que as organizações se esforcem para serem melhores e nisso todos ganham.

Não se pode deixar de destacar a importância da gestão por competências nos dias atuais. Esta consolidou-se como uma ferramenta importante e indispensável para o alinhamento entre pessoas e organização, fato que endossa a constante e inevitável evolução das organizações em um mercado cada vez mais acelarado e volátil. Por isso a área de Recursos Humanos necessita realizar as manutenções e manter a atenção no processo como um todo, em alinhamento com as melhores práticas em Gestão de Pessoas e as expectativas da Alta Administração, para que o trabalho realizado não seja perdido ou não ocorra retrocesso em tudo que foi construído.

É fato: organizações de grande sucesso têm em seus bastidores profissionais produtivos, satisfeitos e felizes, para além do discurso de responsabilidade social. É uma questão de metas, de sustentabilidade e de resultados, um processo continuo de evolução e de busca por soluções cada vez mais adaptadas ao contexto e a realidade do mundo moderno. Por isso, se há uma fórmula, podemos afirmar com segurança que ela passa necessariamente pelo quadro da força de trabalho – a grande chave para organizações cada dia mais competitivas em seu seguimento. ■


Licença Creative CommonsEste artigo está licenciado pela Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Permitida a reprodução do artigo desde que citada a fonte e/ou link. Contate-nos para autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.lemeconsultoria.com.br/faleconosco/.

 


  CAROLINE TOMAZINI REDIVO

Equipe Leme     

Analista de Projetos e Estudos de Gestão e Estratégia da Leme Consultoria, Graduada em Criação Publicitária com MBA em Gestão de Pessoas. Há mais de 7 anos atua na área de Recursos Humanos. Especialista em Gestão por Competências na Metodologia do Inventário Comportamental, atuando em projetos de Desenvolvimento de Pessoas em todo o Brasil, em empresas privadas e instituições públicas, como: Tribunal Regional do Trabalho 19ª, Tribunal Regional do Trabalho da 20ª, Grupo Petrópolis, Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, Santa Casa de Misericórdia de Maceió, Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, STN – Secretaria do Tesouro Nacional, Facchini, Nissin-Ajinomoto, Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, entre outras.


Relacionados

A necessidade do Feedback efetivo A importância de um Feedback eficiente para Resultados - Renan Sinachi Consultor
A importância de um Plano de Cargos e Salários Empresas movimentam-se cada vez mais para otimizar seus recursos humanos e financeiros com projetos capazes de atender a demanda de um ano de incertezas. O Plano de Cargos e Salário aparece no cenário para atender a esta demanda.
Dez Dicas para Estruturar uma Pesquisa de Clima Organizacional Patrícia Paixão, da Leme Consultoria, dá dez dicas sobre como estruturar de maneira rápida e eficiente uma pesquisa de clima organizacional.
Gestão por Competências X Liderança – Uma relação intrínseca O Consultor Euclides B. Junior analisa o papel da Gestão por Competências como base para a formação de Líderes Atuantes.
Empresas contratam por Competência Técnica e demitem pela Comportamental Selecionadores de pessoas se encantam com um currículo recheado de competências técnicas. Será que isso basta?
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *

Você pode usar HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Informe o Código de Segurança *