O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, presidiu nesta terça-feira (19/03) a 133ª reunião do Conselho Curador do FGTS, quando comunicou aos participantes as diretrizes de sua gestão, com foco nas políticas de emprego e qualificação de trabalhadores. “Vamos investir para colocar os trabalhadores em contato com as novas tecnologias e na implantação das políticas de emprego e renda”, afirmou.

O ministro destacou a importância das políticas promovidas pelo FGTS, que investe recursos nas áreas de habitação, saneamento e infraestrutura urbana.

De acordo com balanço do ano passado, apresentado aos conselheiros pelo Ministério das Cidades e pela Caixa, os ativos do FGTS alcançaram R$ 325,3 bilhões, um crescimento de 12% em relação a 2011 que foi de R$ 290,3 bilhões. O patrimônio líquido do Fundo – que seria o montante excedente caso o FGTS tivesse de pagar todas as contas vinculadas de uma vez – alcançou em 2012 um total de R$ 54,8 bilhões, com crescimento de 33%. As receitas alcançaram R$ 25,9 bilhões contra despesas de R$ 19,5 bilhões, o que gerou resultado operacional de R$ 6,4 bilhões. Além desse resultado, em 2012 houve a reversão de R$ 7,4 bilhões provisionados para pagamento de despesas decorrentes da Lei Complementar nº 110, de 2001. Assim, o resultado final do Fundo registrou R$ 13,8 bilhões no exercício passado. O FI-FGTS fechou o ano com aplicação de R$ 25,6 bilhões e rentabilidade anual de 5,27%.

Execução – De um orçamento final de R$ 37,6 bilhões que o Fundo teve para investimento em habitação popular, foram executados R$ 35,1 bilhões (93%). Dos R$ 6,8 bilhões destinados a descontos em financiamentos para famílias de baixa renda, R$ 6,6 bilhões (97%) foram contratados, com maior peso relativo nos financiamentos concedidos nas regiões Norte e Nordeste. As áreas de saneamento e infraestrutura, que aplicam recursos ao financiamento dos programas Saneamento para Todos e Pró-Transporte, com R$ 5 bilhões cada e prazo para aplicação dos recursos até julho deste ano, executaram no ano passado cerca de 13% do orçamento.

Fonte: RH.com.br

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail